sexta-feira, 14 de novembro de 2014

[7619] - MARCELO, O PROFETA...


Tks. Tuta Azevedo

3 comentários:

  1. Custa dar razão, a alguém como Marcelo Caetano, que representou um regime ditatorial salazarista mas Infelizmente 40 anos passados temos que reconhecer aqui Cabo Verde do séc XXI que as suas premonições se realizaram. Com o 25 de Abril, livramo-nos de uma ditadura, mas após cair noutra, sobrou-nos a Democratura, um país governado por demagogos, incompetentes e mentirosos.
    Depois de matarem S. Vicente, resta a Cabo Verde, o Sol, e um Turismo entregue a operadores estrangeiros, e a pobreza crónica crónica sem solução, pois infelizmente já não há emigração legal ".
    Esta frase entra com uma luva para Cabo Verde

    "Veremos alçados ao Poder analfabetos, meninos mimados, escroques de toda a espécie que conhecemos de longa data.

    A odisseia da incompetência:
    " A maioria não servia para criados de quarto e chegam a presidentes de câmara, deputados, administradores, ministros e até presidentes de República."

    ResponderEliminar
  2. Claro que estas palavras de Marcelo Caetano foram pensadas para Portugal, mas encaixam bem noutras realidades, e cada um que enfie a carapuça que melhor se ajusta.
    Eu fui um adepto fervoroso do 25 de Abril, por acreditar que a guerra colonial não era mais sustentável naqueles moldes em que era concebida e conduzida, ainda mais à revelia da comunidade internacional. E é evidente que eu acreditava que a democracia seria também um bem preciosíssimo, desde que aproveitada nas suas virtualidades e não nas suas distorções.
    Ninguém ignora que houve evolução tanto em Portugal como em Cabo Verde, evolução que, além de ser uma consequência natural da passagem do tempo, foi em grande parte graças às ajudas da comunidade internacional (UE no caso de Portugal).
    Só que Marcelo Caetano conhecia de ginjeira certas maleitas genéticas do seu povo, tal como Salazar. Tanto Marcelo como Salazar poderiam ser merecedores de alguns apodos anatematizantes, mas ignorantes é que não eram, sobretudo da História do seu país. Pois, ambos sabiam que nos damos muito mal com as liberdades cívicas e que a corrupção é um mal aparentemente sem remédio entre nós. Somos constantemente bombardeados com casos de corrupção e agora é o caso dos VISTOS GOLD, que compromete altas figuras da administração pública. Não há palavras. Ontem como hoje, de geração em geração, parece que estamos fadados a arrastar com esta nefasta fatalidade. O Eça e o Ramalho continuam actualizadíssimos, para mal dos nossos pecados e para o infortúnio dos desgraçados que não têm o mínimo para viver dignamente.
    Quanto à estatura moral e verdadeira sapiência para o exercício de altos cargos do Estado, o Marcelo Caetano continua com toda a razão. Basta ver este presidente de república que nos calhou na rifa.

    ResponderEliminar