segunda-feira, 27 de abril de 2015

[8076] - TRÊS DÉCADAS DE ROLLS-ROYCE...




TRÊS MODELOS, CADA UM DA SUA DÉCADA, DA MAIS PRESTIGIADA MARCA
EUROPEIA DE AUTOMÓVEIS, NUM TEMPO EM QUE O REQUINTE DAS
FORMAS E DOS ACABAMENTOS ERA PRIMORDIAL...

6 comentários:

  1. O dono do Arroz não o diz, porque é comedido nas palavras e discreto nos costumes - como aliás é de bom tom entre o verdadeiro jet-set -, mas o terceiro carro ainda lhe pertence, comprado diazá a um inglês da Western, mister Bob Roberts Thompson que regressou do Mindelo à velha Albion depois de cumprir a sua comissão de serviço. Era na bagageira externa que ali vemos atrás que o Zito e a família levavam a cachupa para a Baía das Gatas e é ali ainda hoje que ele leva o cozido à portuguesa para a Cruz Quebrada (mais vezes para o Estoril), quando para lá vai a banhos. Quando virem passar este bólide em alta velocidade na marginal da linha, olhem bem que lá vai ele todo lampeiro, de chapéu panamá-jack e charuto cubano ao canto da boca. Junto ao cozido, claro, segue uma garrafinha de gin Hendrick's embrulhada numa toalha para não se partir e um termo cheio de cubos de gelo .
    Quem sabe viver, sabe mesmo.

    Braça de luxo,
    Djack (pelintra)

    ResponderEliminar
  2. Do mesmo tipo do carro amarelo, conhecido na nôs terra por "córre caracunda", apareceu no Mindelo um Chrysler (sem a mala à traz) pertença de um italiano da Italcable que, todas as tardes passeava pelas Ruas do Telegtaph, de Lisboa e Machado para depois dar as tradicionais voltinhas à Praça Nova, com a Esposa ao lado, uma estampa de mulher loira. Por onde passavam a circulação parava para não só ver o carro com a belissima ragazza que ia trajada a rigor ao seu lado.
    Não podendo suportar mais a brincadeira dos mirones o rapaz que, digamos de passagem, tinha pinta de actor de cinema, largava o volante, fazia um manguito, e dizia "Toma !!! Isto é só para mim".
    Ê possivel que o Zito se lembre disto pois todos se divertiam com a ciumeira do italiano

    ResponderEliminar
  3. Djack, o meu carro era o Silver Ghost, mais espaçoso para os 4 membros da familia e comprei-o a um gerente da Miller's cujo nome não retive... Mas tive que o devolver passados dois anos porque, afinal, o cavalheiro havia "afanado" o veículo em Londres, antes de embarcar para S.Vicente...O pior de tudo é que as autoridades nunca chegaram a acordo quanto ao transporte do dito
    fantasma que acabou por apodrecer num quintalão anexo à velha Alfândega...
    Val, dos três elementos da tua recordação, tenho uma vaga ideia do Chrysler e do marido da loira que, essa, seria dificil esquecer, mesmo a tantas dezenas de anos de distância...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Blasts!!! Fui mesmo mal informado. Eu sei quem era o bicho, o da Miller's, era o sr. Keith Palmer, de Eastbourn no Sussex, um sardento asqueroso, magro que nem um esqueleto da sala de Ciências do Gil Eanes. O tipo era um vigarista do pior, ia ao plurim d'pexe e roubava postas de atum que metia dentro dos bolsos das calças que eram sempre as mesmas, pois tinham receptáculos especiais, feitos para o efeito. Quando o pessoal passava por ele e tapava o nariz devido ao mau cheiro acumulado, ele dizia "Sorry, bud!" que era criada que não sabia lavar a roupa... Sim, sim,ainda vi o Ghost lá na quintalona d'Alfândega, poiso certo da Mari Salema que debaixo do banco traseiro escondia sempre uma garrafita de grogue para aliviar o cheiro que nela ficava depois do trabói esgoto aéreo...

      Coitado do Zito, ser embarretado assim. Caso para dizer "Damned!!!"

      Braça sem Rolls,
      Djack

      Eliminar
    2. Ali onde está "Sorry bud" ficaria bem melhor "Sorry old chap!, que era a criada". Foi erro de cálculo na língua da Wilson's, associada à falta de um "a". Escrever directamente aqui dá sempre disto.

      Braça gralhenta,
      Djack

      Eliminar
  4. Agradeço a solidariedade, Djack e confesso que ainda hoje sofro a nostalgia dos poucos meses que conduzi aquela maravilha da tecnologia britânica sob os olhares cobiçosos da malta, só comparável à vergonha resultante da devolução forçada e da consequente chacota de que fui alvo...Felizmente que, pouco tempo depois, comprei a meu pai um Seat-500 que ele tinha adquirido, novinho em folha, em Vigo, pois era a melhor maneira de passar despercebido! Coisas da vida!
    Braça saudoso,
    Zito

    ResponderEliminar