quinta-feira, 19 de novembro de 2015

[8661] - DA NORUEGA, COM MORABEZA...


Já no ano passado aqui falámos no Francisco que, miúdo atilado e curioso, foi ajudante na loja do meu pai, em S.Vicente, nos anos 60 do século passado...Aí terá aprendido umas coisas, a juntar às que já havia assimilado na escola-oficina de mestre Cunque de tão boa memória, e que lhe terão sido úteis no decorrer da sua já longa vida...
O Francisco abalou do Mindelo por volta de 1964, tinha ele 15 anos e cedo foi fazer companhia a seu pai, tripulante a  bordo de num navio norueguês, assim se fazendo marinheiro dos sete mares hoje, já reformado, com filhos e uma neta que é um deslumbramento...
Meu irmão, eu e as nossas caras-metades, tivemos o prazer de ter o Francisco a almoçar connosco, na passada terça-feira... Desta vez fomos ao Restaurante Flor do Minho, especialista em grelhados, e a refeição foi bem mais variada do que a que há semanas nos deliciou com o Valdemar... Tivemos piano e secretos de porco preto na brasa, dourada escalada  e pernil assado no forno...Uma festa! Tudo, acompanhado com branco fresco e tinto da casa - vinhos que, não raro, são bem melhores do que muitos rótulos famosos - e que deu para um bom par de horas de boa e animada conversa com o inevitável desfile das recordações de "gente daquel tempe", figuras que são parte integrante da nossa memória comum...
Foi-nos sobremaneira agradável rever este velho companheiro, 51 anos mais tarde...Não sei o que se passará com as outras pessoas mas, a mim, estes momentos reconfortam-me a alma e ajudam a reconciliar-me com a vida e as suas dificuldades do dia-a-dia...Obrigado, ó Francisco!

3 comentários:

  1. Conforme vamos envelhecendo, momentos como estes são autênticas preciosidades. Que sentido teria a nossa existência se ela não fosse preenchida com aquilo que exalta a nossa humanidade? Lembro-me bem de o Zito ter falado deste rapaz, com quem eu devo ter-me cruzado casualmente nas ruas do Mindelo. Mas como sou uns 5 anos mais velho, não faço ideia de quem seja.

    ResponderEliminar
  2. Entre amigos dos velhos tempos o passado volta para o presente, pois recordar é viver no agora.

    ResponderEliminar
  3. Que sorte !!!
    Para uns e para outros o prazer de um reencontro mais de meio século depois. Sei o que isso é e o bem que nos faz reviver momentos de juventude (en)quando a "quarta idade" começa a mexer na cabeça de alguns.
    Braças e mantenhas pa tude gente

    ResponderEliminar