sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

[8808] - UM PESO, DUAS MEDIDAS...


A PROPÓSITO DE UMA ESTÁTUA REFERIDA NO POST Nº 1794 DO BLOGUE-IRMÃO, "PRAIA-DE-BOTE", ACHAMOS OPORTUNO MOSTRAR ESTA FOTO DO MONUMENTO QUE OS BRASILEIROS TIVERAM POR BEM DEDICAR AO  DESCOBRIDOR DO SEU PAÍS, PEDRO ÁLVARES CABRAL, LOCALIZADO NO PARQUE DE IBIRAPUERA, S. PAULO...

6 comentários:

  1. Atenção, que o tal post não tem NADA a ver com a estátua do Diogo Afonso. Um dos nossos comentadores é que a citou. Aliás, essa estátua é um testemunho não só das loucuras revolucionárias que a apearam como da inteligência e bom sentido da História dos que depois a reergueram.

    O post tem simplesmente a ver com um esgoto quase a céu aberto e com um sujeito a fazer uma mijadela à vista... de quem o via. O post tem a ver com desleixo, falta de planeamento, falta de cuidado urbanístico, falta de acompanhamento (e falta de outras coisas mais que não digo) por quem de direito.

    Ou seja, nem a estátua nem as casas nem as pessoas da rua e Praia de Bote (ou as que por ali passam) merecem nem o esgoto a desaguar ali nem o homem a fazer o mesmo. Esse é que era o motivo do post. Aliás, a estátua está num belo sítio, muito melhor que o inicial, na Praça Estrela. E se ela ali não estivesse, os contras do esgoto mal acabado e do homem urinando mantinham-se.

    É curioso que quando a Torre de Belém ainda não estava restaurada, em 1999, parece-me (posso estar enganado) que havia encaixada nela uma casa de banho pública a dar para a praia. Não sei se com as obras e posterior adaptação a Museu do Mar ela desapareceu.

    Braça dESGOTada e desURINAda,
    Djack

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Mas falando de estátuas de Pedro Álvaris Cábráu, esta paulista do Morrone, de 1988, é bem menos interessante que a carioca do Bernardelli de 1900, depois replicada em oferta do governo brasileiro a Portugal por ocasião da Exposição do Mundo Português e hoje vista junto ao Jardim da Estrela (Av. Álvares Cabral). Não sei se sabem que a bandeira voou pelo menos duas vezes pelos ares, uma delas pouco depois da inauguração, aquando do ciclone de 1941...

    Braça bandeirante,
    Djack

    ResponderEliminar
  4. Para que conste, comentei no praia de Bote assim: "É uma versão soft do antigo Caizim, e ainda por cima nem sequer se submete a um horário, por exemplo, a partir das 9 horas da noite, como o outro.
    Reafirmo o que disse há anos. Aquele não é um lugar condigno para a estátua de Diogo Afonso. Aquilo é um lugar de desleixo e imundície. A estátua devia estar num ponto asseado da marginal, e as alternativas não faltam. Ter a estátua naquele lugar é um desrespeito para com a História e o património.
    Aliás, não é só este lugar focado no post que é o espelho do mais absoluto e incompreensível desmazelo. Toda essa zona e ruas próximas estão em acentuada degradação e merecem ser reabilitadas. Se eu fosse presidente da câmara local, requalificar toda essa zona seria uma prioridade na minha agenda, custasse o que custasse. Essa zona é neste momento uma vergonha para a cidade.
    Precisamos de edis em S. Vicente que tenham uma visão correcta da cidade, que tenham sentido de previsão, que tenham noção da estética, que saibam, enfim, governar a cidade.
    Estou indignado com o que foi aqui revelado, porque não o julgava possível. Mindelo está a caminhar para o terceiromundismo. E disto não se pode culpar o governo central."

    Pois bem, tem todo o propósito este post que o Zito introduziu, para assim percebermos duas bitolas diferentes no tratamento do mesmo problema. Pode considerar-se que a estátua de Diogo Afonso deve estar preferencialmente numa posição em que fique com o mar pela frente. Mas nunca naquele lugar. Se a presença local da réplica da Torre de Tombo confere ao seu posicionamento um enquadramento adequado, não será contudo naquele lugar enquanto ele for o que é. Isto quer dizer que as duas importantes peças do património exigem uma urgente reabilitação daquele espaço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É esta a leitura que pretendi obter ao publicar a foto de seu Cabral, em S.Paulo...Daí, o próprio título do post: Um Peso, Duas Medidas! Tout court...

      Eliminar
  5. Alertas como estas do dois blogues (Arrozcatum e Praia de Bote), ao fim e ao cabo, são ideias sugeridas aos Edis mindelenses que não se preocupa(ra)m com o Urbanismo e contribuíram assim para o descalabro total de uma Cidade que sempre foi referência de Cabo Verde, intra e extra muros.
    Mesmo que S.Vicente esteja ainda vivendo os piores dias desde a (in)dependência, muitas pequenas coisas podiam ter sido arranjadas sem grandes esforços, bastando para isso aplicar as leis municipais que obrigam os munícipes a ocuparem-se da parte que lhes toca. Infelizmente isso não sucede porque existe a preocupação de não perder votos na hora das eleições. E assim vamos contribuindo (consciente ou inconscientemente) pelo desaparecimento dos nossos valores.

    ResponderEliminar